Sindicato dos Trabalhadores em Comércio Hoteleiro, Bares, Restaurantes e Similares de Santos, Baixada Santista, Litoral Sul e Vale do Ribeira

Fundado em 23/03/1933

Filiado a:

Governos petistas ampliam em mais de 200% o investimento em educação

Nos últimos 12 anos, o Brasil viu os investimentos em educação mais que duplicarem. Em 2002, o orçamento do setor era de R$ 18 bilhões. Em 2014, chegou a R$ 115,7 bilhões, um crescimento real de 218%.

A ampliação de valores se refletiu em aumento no número de instituições de ensino em todos os níveis, melhorias na qualidade, diminuição das disparidades regionais e sociais no acesso à educação e criação de diversos programas e políticas, como o Plano Nacional de Educação (PNE) e do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 98,3% das crianças entre 7 e 14 anos estão matriculadas no ensino fundamental. A universalização desta etapa de ensino é uma das metas do novo Plano Nacional de Educação (PNE), aprovado em 2014.

O documento reúne 20 metas para o setor até 2024 e estabelece que, até 2019, o governo federal deve direcionar 7% do PIB para a educação. Em 2013, o investimento chegou a 6,6%. Ao final do decênio, a meta é alcançar 10%.

Em relação à qualidade de ensino, a mudança de oito para nove anos de ensino fundamental aumentou o nível de proficiência de estudantes do 5º entre 11% e 14%. As informações são baseadas no desempenho dos alunos na Prova Brasil, criada em 2005 pelo governo federal para avaliar o conhecimento dos estudantes em Língua Portuguesa e Matemática.

A avaliação é base de cálculo para o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), implementado em 2007. O indicador reúne informações sobre fluxo escolar e médias de desempenho em avaliações.

O ensino médio, sobretudo o técnico, foi incrementado na última década. Foram criadas 422 escolas técnicas, contra as 140 que havia antes. Os Institutos Federais ganham destaque, por oferecerem desde o ensino profissionalizante a cursos superiores e de pós-graduação gratuitamente.

Pronatec – Somente o Pronatec já ofertou mais de 8 milhões de vagas desde 2011, quando foi criado. O programa oferece formação profissional para jovens, trabalhadores e beneficiários de programas de transferência de renda. Até 2018, o governo federal pretende alcançar 12 milhões de vagas.

Em julho o governo anunciou a criação do Pronatec Aprendiz para Micro e Pequenas Empresas, que vai oferecer 15 mil vagas este ano, para adolescentes de 14 a 18 anos matriculados em escolas da rede pública.

O objetivo proporcionar o primeiro emprego formal a jovens em situação de vulnerabilidade e que morem em um dos 81 municípios mais violentos do País.

Para a população do campo, o governo federal vai oferecer, neste semestre, 15.184 vagas em cursos de desenvolvimento agrícola. São 51,85% vagas a mais que em 2014.

Entre 2011 e 2014, o número de beneficiários do Bolsa Família que ingressou no mercado de trabalho pelo Pronatec cresceu 120,6%. O número de pessoas beneficiadas pelos cursos e que estava empregada passou de 55.168 no início do curso para 121.717 na conclusão.

Educação superior – As gestões petistas apostaram na ampliação do acesso ao ensino superior para ajudar a vencer barreiras sociais e raciais. A aprovação da Lei de Cotas permitiu que, somente no primeiro mandato da presidenta Dilma Rousseff, o número de vagas reservadas para pretos, pardos e indígenas em universidades federais aumentasse 250%.

De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em 2012, as cotas abarcavam 13.392 vagas, contra 43.613 em 2014.

O governo também ampliou o número de vagas em universidades federais. Em 12 anos, foram criadas 18 universidades federais e 173 câmpus. Atualmente 7,1 milhões de universitários brasileiros.

Cerca de 1,4 milhão desse total é beneficiário do Programa Universidade para Todos (Prouni), criado em 2004 para oferecer bolsas integrais e parciais em universidades particulares. Só em 2014, foram 25,9 mil bolsas em todo o País, 50% delas para alunos negros.

A nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é utilizada como critério para o Prouni e para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) desde a criação dos programas. O Sisu oferta vagas em universidades federais.

A novidade é a utilização do Enem para as seleções do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e para o Programa Ciência Sem Fronteiras.

O Fies foi criado em 1999, durante a gestão de Fernando Henrique Cardoso (FHC) para financiar o acesso a graduação. Em 2010, o Fundo passou por reformulação. O resultado foram juros mais baixos e prazo de pagamento ampliado.

Desde sua implementação, em julho de 2011, até março deste ano, participaram do Ciência sem Fronteiras 78,173 estudantes brasileiros. Cerca de 28% deles realizaram cursos de graduação ou pós no Estados Unidos, nação que mais recebe beneficiários do programa.

A proposta é oferecer, até 2018, cerca de 100 mil bolsas. Somadas às 101 mil prometidas, serão 201 mil no total.

 

download (14)

Compartilhe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
Share on print
WeCreativez WhatsApp Support
Envie sua mensagem
Olá, como podemos ajudar?